Meses Quentes Interrompem a Queda no Emprego

Meses Quentes Interrompem a Queda no Emprego

A crise sanitária deu uma trégua ao mercado de trabalho no verão. Em julho, pelo segundo mês consecutivo, verificou- -se um ligeiro aumento do número de pessoas empregadas, interrompendo a tendência de quebra que se verificava desde que a pandemia chegou ao país.

Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), a população empregada aumentou 0,1% em Julho, variação que se soma à subida de 0,3% em Junho. Em dois meses, foram criados 16 mil empregos.No entanto, vale a pena pôr este número em perspectiva. É que entre Março e Maio, foram destruídos 183 mil empregos. E se a comparação for homóloga, entre Julho deste ano e o mesmo mês do ano passado desapareceram 172 mil postos de trabalho.

Do lado do desemprego, passou-se o contrário e os sinais da crise são finalmente evidentes. Depois de um período durante o qual a taxa de desemprego era incapaz de refletir a evolução no mercado de trabalho, agora este indicador já está em clara deterioração. A taxa de desemprego passou de 7,3%, em junho, para 8,1%, em julho, e que compara com os 5,9% registados em maio. No entanto, até esse mês de maio, a taxa de desemprego não se agravou, pelo contrário, até recuou.

Com a inversão da tendência, a população desempregada ascende já a 409 mil, ou seja mais 120 mil do que em maio. Se a comparação for com julho do ano passado, o aumento é de 74 mil.
Esta aparente evolução contraditória entre emprego e desemprego explica-se pelo facto de a pandemia ter alterado o padrão de comportamento dos desempregados. Para que o INE (e o Eurostat) considerem uma pessoa desempregada, é preciso que esta esteja disponível e tenha desenvolvido um conjunto de esforços no sentido de encontrar emprego, o que se tornou complicado para muita gente nos primeiros meses da pandemia por causa do confinamento.

Os dados do emprego e desemprego são assim menos contraditórios do que pode parecer. O desemprego está a descrever o que se passa no mercado de trabalho com um desfasamento de alguns meses. Já o emprego, que consegue medir de forma mais imediata as alterações, está agora a reagir à redução das medidas restritivas à atividade económica e à recuperação ligeira e gradual do turismo.