Impostos castigam trabalhadores com melhores salários

Impostos castigam trabalhadores com melhores salários

Ao nível da Suécia, da Bélgica e da Eslovénia – Portugal é o quarto país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) com os mais elevados níveis de impostos para os rendimentos de topo.

Em Portugal, 72% do rendimento dos que mais ganham vai para impostos, originando assim fuga de talentos para outras geografias mais favoráveis aos salários altos e perda potencial de investimentos por multinacionais.

O escalão de rendimentos de IRS mais elevado, em Portugal, paga a taxa máxima de 48%, à qual é acrescida a taxa de solidariedade mais uma taxa média de IVA de 16% sobre o consumo estimado e a das contribuições para a Segurança Social, resultando em 72% de impostos para os salários superiores a 25 200 euros, conforme o escalão de IRS.

Portugal não consegue atrair multinacionais, pois estas encontram taxas mais atrativas noutros países. Na Zona Euro, a Lituânia ou a Eslováquia têm taxas marginais de apenas 44% e 45%, respetivamente, e ambos estão entre os países cujo PIB mais cresce este ano.